Efeitos terapêuticos do riso

Efeitos terapêuticos do riso

Nada como uma boa crise de riso – dessas que deixam os olhos úmidos e a alma leve – para diminuir a tensão. Segundo o filósofo iluminista Immanuel Kant (1724-1804), apenas três coisas podem realmente fortalecer o homem contra as tribulações da vida: a esperança, o sono e o riso.

Encarar a vida com bom humor fortalece a mente e o corpo, tornando-nos mais aptos para enfrentar situações de crise; uma boa gargalhada causa relaxamento, com a liberação de endorfinas na corrente sanguínea.

De forma intuitiva, a maioria das pessoas concorda mesmo que rir pode fazer bem. E recentemente essa percepção está sendo cientificamente comprovada. Embora por muito tempo cientistas tenham enfrentado o desafio de estabelecer a relação entre diversão e saúde, várias descobertas encorajadoras recentes fazem com que psicólogos e médicos passem a considerar o senso de humor como proteção importante contra doenças físicas e psíquicas, além de, em muitos casos, ajudar a curá-las.

O riso faz bem para a saúde

Na Antiguidade, Aristóteles (384 a.C.-322 a.C.) já via no riso “um exercício corporal de grande valor para a saúde”. Esse reconhecimento geral ainda existe – ainda que os cientistas admitam não saber muito bem como esses benefícios ocorrem e seja difícil comprovar a relação entre diversão e saúde.

O principal empecilho para conhecer mais sobre o assunto é o fato de que as consequências mensuráveis da gargalhada, por exemplo, duram pouco mais que alguns segundos. Os efeitos agudos que se seguem ao riso assemelham-se a sua manifestação física – os músculos contraem-se, os batimentos cardíacos aceleram-se e aumentam a pressão sanguínea, a frequência respiratória e a conversão de oxigênio.

Há mais de 50 anos, testes psicológicos indicaram que o tônus muscular continua reduzido até 45 minutos após o riso. Ou seja: o corpo permanece relaxado. Sabe-se também que a concentração do hormônio do estresse, o cortisol, no sangue é reduzida quando as pessoas estão alegres. Como um nível sempre elevado de cortisol comprovadamente enfraquece a defesa imunológica, é possível considerar que a alegria protege contra doenças. A sensibilidade à dor também é reduzida.

Isso pode ser atribuído à liberação de endorfinas, que desencadeiam sentimentos de prazer no cérebro, bloqueando a transmissão de estímulos dolorosos. Mas pouco tempo depois tudo volta a ser como antes – pelo menos até que surja o próximo ataque de alegria. Mais recentemente, pesquisadores da Universidade de Osaka, no Japão, registraram valores reduzidos da mensageira cromogranina A (CgA) na saliva de pessoas que haviam visto um filme engraçado, em comparação com observadores de um vídeo neutro.

A CgA é liberada principalmente pela medula suprarrenal quando o sistema nervoso vegetativo entra em colapso. Ao que tudo indica, a divertida comédia antagonizou esse processo. Outros estudos, no entanto, não puderam comprovar a influência do riso sobre a reação hormonal ao estresse.

Um motivo possível da falta de conclusão é o fato de as formas de humor serem extremamente variadas – da leitura de um gibi ou audição de um gracejo, passando pela autoironia, sarcasmo, jogo de palavras, riso ou tiradas cômicas por embaraço, inveja ou malícia, até cenas ao estilo de o Gordo e o Magro. Estudiosos do humor, também chamados gelotólogos (do grego gelos – riso), diferenciam até 2.500 dessas expressões. Muitas delas realmente nos divertem ou provocam um leve sorriso, mas não é preciso necessariamente rir em voz alta

Piada sem graça

Por outro lado, nem todo riso implica humor. O psicólogo Robert Provine, da Universidade de Maryland, em Baltimore, Estados Unidos, descobriu que apenas uma em cada cinco das 20 risadas que um adulto dá, em média, em um dia, tem base humorística. A maior parte desses risos mudos e das risadas discretas transmite mensagens como concordância e simpatia, expressam empatia e identificação ou disfarça agressividade, irritação ou tédio e exclui outras pessoas.

Assim, em relação a efeitos medicinais, deve-se diferenciar mais detalhadamente o riso e o humor. Este último indica principalmente um desempenho mental, a capacidade de enxergar situações ou pessoas de formas bastante específicas. Consequentemente, vários pesquisadores buscam a chave para os benefícios da piada mais no pensamento do que nas reações psicológicas imediatas.

O AUTOR – STEVE AYAN é psicólogo e jornalista.


Releated

enxaqueca

Enxaqueca é coisa séria!

Durante as crises de enxaqueca, cada batida do coração, que normalmente não seria sentida, dói como uma martelada; odores e imagens podem desencadear o problema.   Talvez seja o seu caso, e provavelmente é o de alguém que você conhece: 10% da população experimenta um tipo específico de dor de cabeça que deixa as outras […]

calorias

Sedutoras calorias

Calorias – o valor energético dos alimentos ativa o sistema cerebral da recompensa tanto quanto o sabor, desencadeando o desejo por determinadas comidas; descobertas devem ajudar no combate a transtornos alimentares e obesidade por Zane B. Andrews e Tamas L. Horvarth Quando comer e quando parar? Se há algo que nos iguala é a fome. […]